0

A perda da audição na terceira idade é muito comum e, por isso, requer atenção. Ela causa muitos transtornos, afetando a qualidade de vida dos idosos e desencadeando doenças sérias, como depressão e outros distúrbios psicossociais.

Chamada de presbiacusia, a diminuição da capacidade auditiva dos idosos é resultado, muitas vezes, do envelhecimento natural do organismo. Contudo, hábitos ruins, como uso de cigarro e exposição prolongada a sons muito altos, aceleram o problema.

Problemas auditivos devem ser verificados por um profissional ao menor sinal de sintomas como tonturas, vertigem, zumbido no ouvido e dificuldade em entender a fala de terceiros.

Há muitas formas de devolver a felicidade a quem apresenta problemas de audição e o uso de aparelhos auditivos é uma das principais, como veremos a seguir. Continue a leitura!

5 causas para a perda de audição na terceira idade

Ao logo do tempo, é natural haver o desgaste do organismo. Contudo, um estilo de vida desregrado pode agravar o quadro e acelerar esse processo.

Por isso, separamos cinco causas da surdez mais frequentes. Veja a seguir.

1. Exposição prolongada a ruídos

Para garantir a saúde auditiva, o limite de som é de até 80 decibéis. A exposição prolongada a ruídos acima disso acarreta sérios danos às células da cóclea, que são as responsáveis pela audição sensorial.

Como as lesões causadas no local são consideradas irreversíveis, a prevenção é o melhor modo de evitar o problema.

2. Idade

A perda auditiva tem como uma das causas principais a idade, ou seja, o envelhecimento natural das células ciliadas, presentes no ouvido. A partir dos 40 anos, elas começam um processo de degeneração e vão piorando com o avançar da idade.

Embora algumas pessoas percam parte da audição mais cedo ou mais tarde, devido a diversos fatores, aproximadamente por volta dos 50 anos um grande número de pessoas começa a sentir o efeito da redução auditiva de forma mais nítida.

3. Hereditariedade

A surdez pode ter causas ambientais ou hereditárias. No tipo hereditário, pode ser sindrômica (má formação da orelha externa e outros transtornos) e não-sindrômica (anomalias da orelha média e interna).

Geralmente, a surdez não-sindrômica hereditária é a mais frequente e está associada à mutação de diversos genes, observando-se alterações no cromossomo X ou no DNA mitocondrial, por exemplo.

4. Infecções

Infecções virais e bacterianas são pontes para afetar o bom funcionamento do sistema nervoso e, por consequência, a capacidade auditiva. Meningite e cocleíte viral são doenças que, comumente, resultam em problemas auditivos.

Também a otite média, que é muito comum principalmente na infância e se caracteriza pela inflamação da orelha média, se não for tratada devidamente, pode causar perda auditiva temporária e até surdez permanente, dependendo da gravidade do caso.

5. Uso de medicamentos

Quando usados em altas doses, alguns medicamentos podem provocar surdez. Estão incluídos antibióticos na classe dos aminoglicosídeos, tais como a estreptomicina e a gentamicina.

Outro tipo de medicamento que afeta o sistema auditivo são os anti-inflamatórios, incluindo a famosa aspirina, além dos quimioterápicos. Há, ainda, relação direta entre a perda da audição e a intoxicação por metais pesados, como mercúrio, chumbo, arsênico, cobre e zinco.  

Prevenção e tratamentos recomendados para perda de audição em idosos

Especialistas apontam que é por volta dos 65 anos que a perda auditiva fica mais severa. Portanto, aos primeiros sinais de surdez, deve-se procurar um médico otorrinolaringologista para avaliar o melhor tratamento.

As melhores opções para contornar a perda auditiva são o uso de aparelhos auditivos e o implante coclear, sendo esse último um dispositivo eletrônico, utilizado nos casos mais graves, e que substitui parcialmente as células danificadas da cóclea.

O mais importante é ter em mente que é preciso envelhecer com qualidade. Isso significa chegar à terceira idade com autoestima elevada, conectado ao mundo e às pessoas ao redor, participando das atividades diárias com felicidade e leveza.

Para quem sofre com perda de audição na terceira idade, o apoio de familiares e amigos é fundamental. E mais do que isso: é preciso sempre ir em busca do próprio bem-estar.

Gostou do artigo? Veja um case de sucesso de alguém que optou por mudar a vida com o uso de aparelhos auditivos!

Gostou do Blog? Deixe uma uma resposta

Está de saída?

Assine nossa newsletter
e seja o primeiro a saber
sobre nossos blogs e
outras novidades.
inscrever-se
close-link
WhatsApp Logo