O que você precisa saber sobre a infecção urinária em idosos?

Compartilhe este Post

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

A infecção urinária em idosos é uma preocupação constante por conta do declínio do sistema renal que acontece com o envelhecimento. Somam-se a isso a incontinência urinária e a falta de mobilidade que alguns idosos podem apresentar.

Além disso, algumas condições emocionais podem favorecer esse aparecimento devido à perda de imunidade associada a essas condições. Desse modo, idosos depressivos se preocupam menos com a saúde.

Infelizmente, os sintomas da infecção urinária não são específicos, porém os exames de rotina já podem apontar alterações na função renal, o que reforça a importância da monitorização periódica da condição clínica do idoso.

Todavia, as complicações de uma infecção urinária nos idosos são críticas e podem levar à insuficiência renal aguda, crônica e necessitar de internação hospitalar e, em casos mais graves, de terapia renal substitutiva, como a hemodiálise e o transplante.

Por isso, se quiser saber mais sobre infecção urinária em idosos, veja as informações que abordaremos no post de hoje! Acompanhe conosco!

O que é a infecção urinária?

Trata-se de uma contaminação microbiana que pode ser causada por incontinência urinária, hábitos inadequados de higiene e uso incorreto de antibióticos, podendo causar dor e diminuir a funcionalidade do trato urinário.

Essa infecção pode se desenvolver nos rins, nos ureteres, na bexiga, na uretra, porém, nas duas últimas regiões é mais comum. Essa incidência é maior em idosos acamados, com mobilidade via cadeira de rodas, que não possuem cuidadores ou que vivem sozinhos.

O uso irracional de antibióticos, ou seja, sem recomendação médica, por meio da automedicação ou sem avaliação prévia de qual microrganismo é o agente causador pode agravar o quadro, pois seleciona bactérias mais resistentes.

Quais são os principais sintomas da doença?

Os sintomas mais comuns são: alterações no volume urinário, dor na região pélvica, urina com coloração escura ou com sangue. Também é relatado um odor muito forte e fétido ao terminar a micção e ardência durante o ato.

Alguns pacientes apresentam febre moderada e podem apresentar confusão mental. Esse fato é devido à diminuição da filtração de substâncias tóxicas que retornam à circulação sanguínea e podem se infiltrar no cérebro. Às vezes, a confusão mental é tratada com medicação psicotrópica, mas não resolve o problema.

Todavia, essas manifestações clínicas são evidenciadas em estágio avançado e, dependendo da condição fisiológica do idoso, será necessária a internação hospitalar para uso de medicamentos antibacterianos mais potentes.

Quais são as causas da infecção em idosos?

A infecção urinária em idosos é um problema frequente e apresenta causas comportamentais e fisiológicas. As primeiras se relacionam à má higiene das partes íntimas, principalmente no momento da limpeza pós-micção, trazendo bactérias dos ânus para a vagina ou o pênis.

Para aqueles que utilizam fraldas geriátricas, a troca demorada desse material pode facilitar a entrada de microrganismo no corpo do idoso e infectar o indivíduo. Se essa situação ocorrer frequentemente, denomina-se infecção de repetição.

Além disso, devido ao relaxamento do músculo detrusor da bexiga, é frequente o desenvolvimento da incontinência, situação que favorece a contaminação das vias urinárias em indivíduos da terceira idade.

Quais são as complicações dessa doença?

A infecção urinária, quando não tratada, pode infiltrar no rim, sendo denominada de pielonefrite. Se o rim for afetado, ele perderá sua condição de filtração e excreção de substâncias tóxicas.

Além disso, sendo um órgão muito vascularizado, pode facilitar a infecção para a circulação sistêmica, comprometendo outras estruturas e agravando o quadro clínico do paciente. Nesses casos, o prognóstico é bastante preocupante.

Se a infecção permanecer no rim, pode levar à falência do órgão, necessitando de terapias renais substitutivas, como hemodiálise, diálise peritoneal e transplante renal. Nessa situação, o paciente necessitará de cuidado contínuo.

Quais são as formas de tratamento?

A infecção urinária é tratada com antibióticos orais ou endovenosos conforme a gravidade da doença. O uso de medicamentos em pacientes geriátricos deve ser monitorado em virtude das doenças crônicas já tratadas e do risco de reações adversas.

Sendo assim, ao se consultar com o geriatra, o idoso ou seu cuidador deve relatar todos os medicamentos em uso contínuo ou esporádico e quais alergias medicamentosas ele tem.

Doenças como hipertensão e diabetes são condições que podem piorar a infecção urinária, bem como os medicamentos utilizados para essas enfermidades. Por isso, os idosos devem se prevenir diariamente para que não desenvolvam outros distúrbios crônicos.

Caso seja necessário, o idoso será encaminhado ao hospital para a administração de medicamentos endovenosos em um tratamento que varia entre 7 e 10 dias conforme a gravidade do caso.

Quais são as medidas de prevenção da infecção?

Sabendo da grande probabilidade de ocorrência de infecção urinária em idosos, é importante tomar medidas de prevenção para evitar essa doença. Estas podem ser direcionadas aos idosos, aos cuidadores e aos membros da família.

Inicialmente é fundamental fazer a higiene e desinfecção das mãos ao terminar a micção. Pode soar como redundante essa informação, mas as contaminações ocorrem exatamente nesse momento.

A falta da assepsia correta mantém as bactérias nas mãos dos idosos e podem contaminar outras pessoas ou a si mesmo. A água corrente e o sabão líquido diminuem drasticamente essa propagação.

Nesse sentido, deve-se preferir o sabonete antisséptico líquido e a realização da troca diária das tolhas de rosto, pois podem acumular microrganismos, já que elas ficam úmidas por muito tempo.

Para os idosos que usam fraldas geriátricas, a troca deve ser frequente para evitar infecção, feridas na região sacral e úlcera de pressão, que causa dor, desconforto e irritabilidade nesses indivíduos.

Também é fundamental fazer a ingestão hídrica adequada, sendo recomendados 2 litros de água. Esse comportamento facilita a excreção dos microrganismos e evita a proliferação desses agentes.

A infecção urinária em idosos é um problema frequente que pode causar complicações graves. Por isso, é importante identificar precocemente os sintomas, procurar ajuda médica e utilizar adequadamente os medicamentos.

Também é fundamental manter sempre as medidas preventivas, como a lavagem e assepsia das mãos, ingestão diária de água, troca frequente de fraldas geriátricas, e outras que foram recomendadas por profissionais clínicos.

E você, o que achou do nosso texto? Essas informações foram úteis para você? Então, siga-nos nas redes sociais e mantenha-se atualizado com as nossas notícias!

 

Conte-nos o que achou

Descubra muito mais

Nossa equipe de especialistas em cuidados com idosos prepararam posts com orientações, informações e curiosidades sobre diversos assuntos.

Ligue já e solicite seu orçamento

Temos certeza que podemos lhe ajudar, por gentileza entre em contato.

Possuimos uma ampla experiência com cuidadores de idosos em domicílio. Focada no gerenciamento de profissionais cuidadores e na saúde da pessoa assistida, nos tornamos referência no que fazemos.

Copyright ©2021 – GUARDIOES DE VIDAS ASSITENCIA A SAUDE LTDA – CNPJ: 01.866.035/0001-70
Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Denis Almeida