Obesidade em idosos: entenda os riscos e saiba como agir!

Compartilhe este Post

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

O envelhecimento natural promove muitas mudanças no corpo humano, e uma delas acontece principalmente na estrutura física. A perda da massa muscular passa a ser visível quando atingimos a terceira idade, mas o que muita gente não sabe é que, nessa fase, o acúmulo de gordura também cresce.

A mudança e a desaceleração no metabolismo contribuem muito para que esse efeito ocorra, proporcionando um aumento de 20% a 30% da gordura corporal e alterando também a forma como ela é distribuída, tendendo a se concentrar na região abdominal e visceral.

Hoje, nós vamos explicar tudo sobre a obesidade em idosos e você vai aprender a prevenir esse problema, além de saber quais medidas tomar caso conheça uma pessoa da terceira idade que faça parte de um grupo de risco. Quer descobrir? Veja as dicas no post!

Por que a obesidade em idosos é um problema silencioso?

Entre tantos problemas de saúde que uma pessoa pode adquirir, seja ela de qualquer idade, a obesidade não pode ser classificada como silenciosa, afinal, é fácil detectar seus efeitos sob o corpo.

Porém, na terceira idade, existe um detalhe que a maioria das pessoas não conhece: a doença não é caracterizada pelo aumento do peso, mas sim pelo aumento do índice de gordura corporal.

Isso quer dizer que uma pessoa considerada obesa na terceira idade não precisa necessariamente apresentar um peso alto quando sobe na balança. Aliás, o efeito é justamente o contrário, uma vez que os músculos e a pele não sustentam mais a gordura e reduzem sua aparência.

Por esse motivo, muitas pessoas demoram a procurar ajuda médica, pois consideram que uma pessoa obesa é aquela que aumenta de peso e de medidas, o que não é comum em um indivíduo idoso.

Quais problemas de saúde a obesidade em idosos pode causar?

Como você acabou de descobrir, a obesidade em uma pessoa da terceira idade é caracterizada pelo acúmulo de gordura em algumas partes do corpo, principalmente nas vísceras, fígado e tecidos.

Essa “infiltração” é altamente associada a algumas doenças e problemas sérios, que podem colocar em risco a vida de um idoso ou acabar com o seu bem-estar, como:

  • hipertensão;
  • diabetes;
  • comprometimento do sistema imunológico;
  • doenças cardiovasculares;
  • redução das capacidades cognitivas;
  • câncer.

A redução da mobilidade do idoso também pode ser associada à obesidade, uma vez que a força cai enquanto o metabolismo desacelera e a gordura localizada dificulta os outros processos. 

Qual a relação entre a obesidade e a hipertensão em idosos?

Entre os problemas causados pelo aumento da gordura corporal em idosos, um dos mais preocupantes e recorrentes é a hipertensão. Estima-se que a gordura esteja associada com a hipertensão em 60% a 70% dos casos.

A  doença afeta principalmente o coração, sendo caracterizada pelo aumento da pressão sanguínea, que marca constantemente 14 por 9.

Ao aumentar a gordura corporal, aumenta-se também a produção de insulina, que é o hormônio responsável pela absorção do sódio, por meio dos rins. Quando isso ocorre, a atividade vascular se expande para suportar o volume de sangue, que também é maior.

Com as funções desreguladas e trabalhando de forma excessiva, o corpo começa a perceber outras alterações, como aumento da atividade do sistema nervoso e perda da regulação adequada da pressão sanguínea.

Em outras palavras, o coração de uma pessoa com aumento de gordura corporal trabalha mais do que devia para bombear mais sangue, o que também obriga a pressão arterial a aumentar. Entre as complicações desse problema, estão:

  • risco de infarto;
  • insuficiência cardíaca;
  • insuficiência renal;
  • acidente vascular cerebral;
  • alteração e perda da visão.

Como lidar com a obesidade em idosos e resolver o problema?

Apesar de a resolução para esse problema parecer simples e óbvia, é muito importante que você evite oferecer uma dieta não planejada ao idoso com o objetivo de reduzir sua gordura corporal ou diminuir seu peso.

Outro erro comum é estimular o idoso a fazer exercícios físicos para perder peso sem procurar a recomendação de um especialista ou até mesmo incentivar a automedicação

O ser humano jamais alcançou a longevidade como nos dias de hoje, o que significa que os estudos sobre essa fase da vida também são incompletos e insuficientes para serem difundidos livremente, como pode ser feito em casos de obesidade em pessoas jovens.

Antes de seguir um tratamento, o idoso precisa passar por uma análise completa, que vai investigar seus hábitos durante a vida, os problemas de saúde que já enfrentou e suas condições no momento presente.

Reduzir a gordura corporal de um idoso deliberadamente pode ser tão perigoso quanto a própria doença, uma vez que não se conhecem os efeitos da redução de peso em uma pessoa de idade avançada. 

É importante compreender qual o grau de obesidade do idoso, por qual motivo o problema tem sido causado e qual o nível de comprometimento do sistema em geral. Para ter essas respostas, é essencial procurar por um médico especialista. 

De que forma podemos evitar esse problema em pessoas idosas?

Quando a obesidade ainda não é um problema, fica muito mais fácil fazer sua prevenção, embora o acúmulo de gordura seja algo natural na terceira idade.

Diferentemente do que a maioria das pessoas acreditam, manter a saúde na terceira idade, principalmente quando o assunto é obesidade, não envolve apenas alimentação e exercícios físicos. É necessário fazer um acompanhamento médico periódico e realizar exames, mesmo que o idoso não apresente nenhuma doença ou limitação grave.

O acompanhamento psicológico é outro fator crucial nessa idade, uma vez que as doenças neurológicas e os transtornos mentais são grandes responsáveis por desequilíbrios no corpo e no estado emocional do idoso, o que favorece diversos tipos de doenças.

Por meio dessas informações, é possível chegar à conclusão de que a obesidade em idosos é um problema mais complexo do que parece, pois não pode ser tratado da mesma forma que em pessoas mais jovens.

O corpo de uma pessoa idosa responde de maneira diferente aos mais diversos estímulos, por isso, é essencial procurar por orientação médica sempre que perceber que algo não vai bem com um familiar nessas condições.

E você, já precisou procurar por orientações para cuidar da obesidade em idosos? Deixe um comentário abaixo contando como foi sua experiência!

Conte-nos o que achou

Descubra muito mais

Nossa equipe de especialistas em cuidados com idosos prepararam posts com orientações, informações e curiosidades sobre diversos assuntos.

Ligue já e solicite seu orçamento

Temos certeza que podemos lhe ajudar, por gentileza entre em contato.

Possuimos uma ampla experiência com cuidadores de idosos em domicílio. Focada no gerenciamento de profissionais cuidadores e na saúde da pessoa assistida, nos tornamos referência no que fazemos.

Copyright ©2021 – GUARDIOES DE VIDAS ASSITENCIA A SAUDE LTDA – CNPJ: 01.866.035/0001-70
Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Denis Almeida