0

Apesar de não ser uma doença exclusiva do processo de envelhecimento, a hipertensão nos idosos é muito comum. Uma das características dessa doença é o aumento da incidência dos casos conforme o avanço da idade. Assim, entender o comportamento da hipertensão em idosos é um dos pontos mais importantes para evitar os seus impactos sobre o envelhecimento.

Nesse contexto, se você é uma profissional cuidadora ou tem idosos na família, este artigo pode ajudar. Abordaremos aqui como é a vida de um idoso com esse problema e qual é o papel da família — sobretudo, dos filhos — nesse processo de enfrentamento da doença.

Continue a leitura e veja importantes sugestões de como manter o controle da hipertensão nos idosos!

O que é hipertensão?

Popularmente conhecida como “pressão alta”, a hipertensão é caracterizada pelo aumento dos valores da pressão arterial. Geralmente, quando esses valores estão acima de 120 MmHg (pressão sistólica) e acima de 80 MmHg (pressão diastólica), diz-se que o indivíduo está com hipertensão.

Essa é uma das doenças que exigem um controle contínuo, já que está associada a outras moléstias, como insuficiência renal, diabetes, acidente vascular cerebral (AVC) e obesidade. Por provocar muitas comorbidades, a pressão alta exige acompanhamento profissional constante, a fim de evitar o agravamento do quadro.

A hipertensão apresenta alguns sintomas clássicos. Contudo, muitos hipertensos não percebem nenhum sinal da doença e, consequentemente, a descobrem por acaso. Por isso, não se deve esperar que a hipertensão arterial sempre cause rigidez na nuca, dores de cabeça, tonturas, náuseas, visão turva e outros sintomas considerados típicos desse problema.

Devido às diferenças fisiológicas do organismo — e às características comportamentais de certas doenças —, a hipertensão pode ser assintomática em alguns indivíduos. Por isso, muitos hipertensos só descobrem que a pressão está fora da normalidade em aferições eventuais.

Entretanto, se surgir algum sinal indicativo da doença, é preciso procurar ajuda médica. A visita regular ao cardiologista e a submissão aos exames específicos são essenciais para confirmação diagnóstica dessa cardiopatia que tanto preocupa a saúde pública.

Por que a hipertensão nos idosos é tão comum?

Na idade avançada, ocorrem mudanças degenerativas na fisiologia e que podem contribuir para alterações no funcionamento dos órgãos. Por consequência, aumentam as chances de surgirem diferentes enfermidades que acompanham o processo natural de envelhecimento.

Um dos fatores associados à elevação dos níveis de pressão na idade avançada resulta de alterações na fisiologia renal. Nos idosos, os rins passam a liberar determinadas substâncias que elevam a capacidade renal de reter mais água e sódio.

Como o aumento de água e de sal no organismo contribui para elevar a pressão, esse é um dos principais motivos da alta incidência de hipertensão nos idosos. Diante disso, a participação da família é fundamental para auxiliar os profissionais de saúde no combate aos sintomas dessa doença.

Portanto, o processo de cuidar de pessoas nessa etapa da vida não pode ser norteado apenas por informações percebidas pelos profissionais durante as consultas. Ou seja, a experiência e a convivência dos familiares com o idoso ajudam bastante no controle dos distúrbios do envelhecimento.

Como a família pode ajudar o idoso com pressão alta?

A seguir, listamos algumas ações que os familiares podem colocar em prática para ajudar a reduzir os efeitos negativos da hipertensão nos idosos. Veja quais são!

Diminua a quantidade sódio e de açúcar na alimentação

O consumo excessivo de sódio eleva potencialmente os riscos para o desencadeamento da hipertensão. Assim como o sal, o açúcar também deve ser evitado. Isso porque essa doença tem relação muito próxima com a obesidade e com o diabetes.

A ingestão de sal e de açúcar sem um controle adequado é prejudicial em qualquer idade. No entanto, esses sintomas são mais evidentes na idade avançada, já que, nessa etapa da vida, o organismo se torna mais vulnerável e algumas doenças surgem com mais naturalidade.

Priorize uma alimentação saudável

Algumas doenças da idade poderiam ser mais bem controladas mediante a adoção de uma dieta alimentar mais saudável. Durante o envelhecimento, é necessário que os familiares priorizem mais atenção nos tipos de alimentos consumidos nessa fase. Excesso de sal, açúcar e gordura são os vilões de muitas enfermidades que geram complicações na idade avançada.

Nesse sentido, para o controle mais efetivo da hipertensão nos idosos, não se pode desconsiderar essa intrínseca relação entre os hábitos alimentares e o desajuste da pressão.

Com isso em mente, estimule seu ente querido a adotar uma dieta mais próxima do natural. Evite também alimentos processados, já que eles contêm grande quantidade de sódio e de conservantes na composição.

Estimule a realização de atividade física

O sedentarismo eleva potencialmente os riscos para o desencadeamento da hipertensão. A falta de exercício físico tem relação muito próxima com o aumento do peso: o maior volume corporal força o coração a aumentar os batimentos cardíacos para levar sangue para os tecidos.

A negligência às atividades físicas é prejudicial em qualquer idade, mas as consequências ruins desse hábito são mais evidentes em idosos, já que, nessa etapa da vida, algumas doenças surgem com mais naturalidade. Assim, priorizar a prática de exercícios — de acordo com as limitações físicas individuais — pode fazer a diferença em termos de qualidade de vida na terceira idade.

Qual a importância de um profissional nesse processo?

Mediante o desgaste natural que concorre para o enfraquecimento do sistema imunológico dos idosos, esse grupo de pessoas exige cuidado e atenção especial em diversos sentidos. Tanto nos aspectos físico e mental quanto no emocional, faz-se necessário prover medidas que minimizem os impactos das doenças da senilidade.

Vale ressaltar que nem sempre a família dispõe de tempo e de habilidade técnica para oferecer um cuidado adequado. Por isso, ainda que os familiares sejam presentes, a contratação de uma profissional cuidadora torna-se uma excelente opção para ajudar com tarefas de rotina e, principalmente, com os cuidados com a medicação.

Assegurar maior bem-estar ao idoso e manter a hipertensão controlada requerem cuidados especiais. Como a pressão alta é uma doença crônica, o acompanhamento profissional e o uso de medicação serão contínuos.

O controle da hipertensão nos idosos exige motivação contínua, apoio profissional, habilidade e paciência de todos os envolvidos. Tanto a equipe de saúde quanto os familiares precisam colaborar mais ativamente para minimizar os sintomas dessa doença e tornar o envelhecimento mais saudável.

Gostou deste artigo? Entre em contato com a Guardiões de Vidas e conheça nossos serviços especializados no cuidado com os idosos!

Gostou do Blog? Deixe uma uma resposta

Está de saída?

Assine nossa newsletter
e seja o primeiro a saber
sobre nossos blogs e
outras novidades.
inscrever-se
close-link
WhatsApp Logo