0

Embora compreendamos que a única certeza na vida é que a morte chegará, ainda assim não é fácil lidar com a perda do cônjuge. A perda em si já é uma situação não confortável e, em se tratando de perder alguém que faz parte de nossa vida, mais difícil se torna.

Por essa razão, é algo que precisa de ajuda, alguém que possa ser empático em um momento tão difícil. O idoso por si só já se encontra em vulnerabilidade pelas perdas inerentes à idade. Portanto, superar a perda do seu cônjuge é complicado, merecendo atenção e cuidados por parte daqueles que se encontram próximos.

Então, quer descobrir como ajudar um idoso a superar a morte do seu companheiro? Acompanhe a leitura deste post, que foi preparado pensando em você.

O que é o luto?

Luto é a reação à perda de um ente querido, um processo que se inicia com a perda propriamente dita e se desenvolve até o período de sua elaboração. Ele é reagido de forma distinta para cada pessoa, sofrendo alterações de acordo com sua capacidade para lidar com perdas, estrutura emocional e vivências. O indivíduo enlutado novamente volta-se ao mundo externo após ter vivido momentos de dor, saudade, inconformismo, enfim, tudo aquilo que é gerado pelo processo interno de cada um.

É importante que esse processo seja vivenciado até que ele seja de fato superado, para evitar que a dor da perda não se reprima e não se manifeste com outra característica. O período de duração é variável para cada pessoa, pode passar de forma lenta e gradual ou ser um processo rápido.

Qual é a importância de ajudar um idoso a lidar com a perda?

Podemos refletir sobre o amor em suas diversas formas de expressão. O amor próprio, o amor fraterno, paterno, o amor que fomenta as amizades e o amor entre os casais são algumas formas de experienciar o amor. Qualquer uma dessas formas de amar se dá por meio da construção de um vínculo afetivo. E quando ele se rompe com a morte é muito dolorido.

Não sabemos ao certo se é o amor que faz o mundo girar, mas ele é, sem dúvida, uma fonte de confiança, segurança e autoestima da maior importância. Sem esses suportes, nos sentimos em perigo. Um idoso, frente a todos os seus percalços, cria uma insegurança gigantesca e, por isso, ajudá-lo nesse momento é fundamental para que ele possa dar prosseguimento à sua existência.

O luto é um processo subjetivo, uma vez que cada um interpreta e o vive baseado em seus sentimentos e significados. É inevitável, e o melhor a fazer é preparar o idoso para encará-lo de maneira menos traumática. Confira algumas maneiras de apoiá-lo nesse momento:

  • não o abandone, esteja sempre por perto, ofereça o seu lado empático e não julgue os seus comportamentos;
  • em hipótese alguma deixe-o sentir-se culpado, isso é um fato natural;
  • não discorde dos seus sentimentos, entenda a sua dor;
  • evite as possíveis ilusões;
  • se necessário, procure a ajuda de um profissional especializado.

Além da angústia e tristeza que a saudade revela com a perda de alguém querido, nos ameaça pela condição humana de vulnerabilidade, também marcada pela morte que fatalmente nos atingirá um dia. Portanto, ajudar o idoso a livrar-se desses sentimentos é proporcionar a ele mais estímulos para seguir adiante.

Quais são os estágios do luto?

O luto é um processo necessário para preencher o vazio deixado por uma perda significativa, como a de um cônjuge. Conheça as etapas do luto: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação.

Negação

Defesa psíquica que leva o indivíduo a negar a real situação. Ele tenta fugir de alguma forma, evitando entrar em contato com a realidade. É bastante natural que a pessoa não queira falar sobre o episódio, ou seja, ela cria uma forma de livrar-se da situação.

Raiva

Sentimento que deixa o indivíduo numa condição de revolta com tudo e com todos. Ele se sente injustiçado e não concorda com a situação vivenciada.

Barganha

Esse é o momento em que o enlutado começa a negociar e, iniciando com ele mesmo, diz que será uma pessoa melhor ao sair daquele momento de dor. É um discurso falso em que ele pensa em acreditar.  Promete ser mais simpático e gentil e que, a partir dali, viverá com mais qualidade.

Depressão

Nessa fase a pessoa se afasta para seu mundo interno, mantém-se isolada e se sente impotente diante daquela situação. Muitas vezes, fala que quer morrer também.

Aceitação

Esse é o estágio mais esperado por todos aqueles que convivem próximos do enlutado. É o momento em que o indivíduo vai superando o desespero e consegue visualizar a situação por outro ângulo, ou seja, a realidade como realmente é. É a fase do empoderamento para encarar a perda com convicção.

É importante ressaltar que não existe uma ordem dos estágios de luto, mas geralmente as pessoas que enfrentam esse processo demonstram pelo menos dois desses estágios. O papel da família nesse momento é acolher bem o enlutado, evitar julgamentos, cobranças e comparações, uma vez que o processo, como já foi citado, é subjetivo, não tem como medir o tempo e o tamanho da dor do outro. Se precisar busque outros profissionais.

Os grupos de apoio ajudam a superar a perda do cônjuge?

Os primeiros dias depois da perda de um ente querido denominam-se como sendo os mais difíceis. Arraigados à dor, os sentimentos de apatia, incerteza, impotência e a necessidade de reagir, até mesmo para tomar providências de várias formalidades burocráticas.

Sempre falam que o tempo cura tudo, mas esperar é uma atitude complexa que exige muitos recursos internos. O luto não deixa de ser uma transição e, para passar por ele de maneira inteira, é preciso ajuda.

Um apoio que vai além da família pode ser oportuno, como participar de um grupo de apoio. Por meio da terapia de grupo, os encontros possibilitam ao enlutado falar e compartilhar sua dor e suas experiências, oferecendo uma oportunidade de melhorar o seu estado de sofrimento.

Além disso, o psicólogo será um profissional importante para pensar com a pessoa o estágio em que se encontra, pois juntos podem construir as melhores estratégias para superar esse momento.

Concluindo, o texto abordou um tema bastante difícil, mas inevitável. Portanto, estar bem informado é uma forma de se preparar para oferecer ajuda às pessoas que passam por um processo de perda, principalmente um idoso que, por ser mais frágil, apresenta também maior dificuldade para lidar com a perda do cônjuge.

Então, o post de hoje trouxe informações importantes para você? Deixe um comentário abaixo, teremos imensa satisfação em interagir com você!

Gostou do Blog? Deixe uma uma resposta

Está de saída?

Assine nossa newsletter
e seja o primeiro a saber
sobre nossos blogs e
outras novidades.
inscrever-se
close-link