0

É normal que as pessoas tenham dúvidas sobre com que idade procurar um geriatra. Isso porque muita gente acha que só tem que ir ao médico quando surge algum problema de saúde. Contudo, isso é um erro grave, pois o acompanhamento de um profissional é de suma importância para a manutenção de uma boa qualidade de vida.

Mas, afinal de contas, o médico geriatra o que faz? Ele é o profissional responsável pela saúde do idoso, mas não deve ser procurado apenas em casos de doença. Isso porque ele se ocupa de particularidades da saúde de pessoas na terceira idade mesmo que não se tenha alcançado essa fase da vida.

Além disso, enquanto outras especialidades lidam com uma parte específica do corpo, o geriatra cuida do paciente por completo. Utilizando seus conhecimentos para prevenir doenças e garantir uma vida saudável para pessoas mais velhas.

No post de hoje, falaremos um pouco sobre os benefícios de consultar esse médico o quanto antes e compreender melhor o que realmente ele faz. Confira!

Quem é o médico geriatra?

Como citado no início do artigo, o médico geriatra é um profissional especializado em cuidar dos aspectos de saúde associados à velhice. Ou seja, ele deve fazer uma especialização na área de Geriatria após a conclusão do seu curso de medicina, capacitando-se para entender o processo de envelhecimento e as doenças que atingem pessoas em idade mais avançada.

Apesar de passarem pela especialização em Geriatria, esses profissionais — ao contrário dos médicos de outras áreas — precisam ter um conhecimento generalista sobre o funcionamento do corpo humano. Sendo necessário, de qualquer forma, que seu conhecimento seja aprofundado nas outras áreas médicas.

É importante não confundir Geriatria com Gerontologia. O primeiro é a especialidade médica que estuda a prevenção e o tratamento de doenças da pessoa idosa. Ou seja, o profissional dessa área precisa ter realizado o curso de medicina em alguma faculdade reconhecida pelo MEC para, aí sim, especializar-se como médico geriatra.

Já a Gerontologia é a ciência que estuda o envelhecimento do ser humano como um todo. No entanto, essa não é uma área restrita à medicina, pois, psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas e assistentes sociais também atuam como gerontólogos ou gerontologistas. Assim, pode-se dizer que todo geriatra é um gerontólogo, mas que nem todo gerontólogo é um geriatra.

Com que idade procurar um geriatra?

O geriatra, por ser um médico que cuida de características próprias da terceira idade, é procurado, geralmente, por quem já passou dos 60 anos. No entanto, não há uma idade certa e, por precaução, pessoas mais jovens também podem ir a esse especialista. Porém, por causa do preconceito em relação à idade, é comum ver possíveis pacientes adiando essa consulta indefinidamente.

Ultrapassando-se essa barreira da falta de informação, procurar o geriatra a partir dos 40 ou, até mesmo, dos 30 anos de idade, pode ser uma boa ideia. Afinal de contas, um acompanhamento adequado desde cedo pode fazer toda a diferença na qualidade de vida de uma pessoa.

E se você tem dúvidas sobre quando ir pela primeira vez, saiba que deve ficar atento aos sinais de seu corpo. Dependendo da idade, fica difícil identificar se algumas dores são normais ou indícios de que algo não vai bem mesmo. Nessas horas, é importante marcar uma consulta com o geriatra, para que se tenha um diagnóstico mais preciso.

Qual a importância de fazer um acompanhamento com o geriatra?

O acompanhamento preventivo com um geriatra ajuda o paciente a envelhecer com mais saúde. Isso porque o médico atua de forma precavida, orientando a pessoa a adotar hábitos que possibilitem que ela envelheça levando uma vida ativa e independente.

Já o apoio àqueles que estão acima dos 60 anos serve para ajudar no processo natural de envelhecimento. Dessa forma, o médico consegue diagnosticar precocemente, amenizando ou, até mesmo, evitando algumas doenças que são comuns nessa faixa etária.

O médico também atua nos cuidados de pessoas já doentes, reabilitando os pacientes e atuando para que as doenças existentes não deixem sequelas. O trabalho do geriatra pode (e deve!) ser feito em parceria com outros profissionais, como clínicos gerais, fisioterapeutas, nutricionistas, entre outros.

Geriatra, o que faz exatamente?

São diversas as possibilidades e serão listadas apenas algumas abaixo.

Prevenção de doenças

Por meio de exames — tanto laboratoriais quanto clínicos — o especialista detecta possíveis anomalias ou mudanças significativas no organismo do idoso que, justamente pela idade, pode significar o surgimento de alguma doença caso não seja avaliado e tratado com antecedência.

Reabilitação de problemas de saúde

Muitos acreditam que quem chegou na fase da velhice já não se recupera e que a solução é deixar que o próprio tempo cuide da pessoa idosa. Porém, é sabido que com alguns exercícios específicos para a memória, por exemplo, é possível fazer com que as informações permaneçam por mais tempo na mente — e isso também é válido para pessoas jovens assim como para os idosos. O geriatra sabe como aplicar tais exercícios.

Avaliação clínica em diversos aspectos

Essa avaliação tem uma importância fundamental, mesmo que não haja um problema de saúde iminente. Não há como negar que as mudanças no organismo são muito significativas com o passar dos anos. Assim, estar a par das características próprias da fase mais madura da vida, como a diminuição da capacidade auditiva, diminuição da acuidade visual, lentidão dos movimentos e reflexos, pode ajudar muito em uma velhice mais tranquila e segura.

Compreensão das necessidades nutricionais

A alteração no metabolismo é certa. Algumas proteínas e hormônios serão produzidos em menor quantidade, as vitaminas e minerais serão menos absorvidos pelo organismo e a queima de calorias não será mais como antes. O médico geriatra está apto a indicar o que deve ser feito para uma melhor adequação da dieta alimentar ou, se necessário, indicar um profissional da área de nutrição para melhor atender o idoso.

Auxílios nos casos de depressão

O geriatra poderá orientar não apenas em situações de necessidades físicas, mas mentais e emocionais também. E os casos de depressão em idosos não são poucos, já que ocorre uma mudança muito grande na vida das pessoas e, muitas vezes, de maneira abrupta.

Aposenta-se, a renda diminui, os amigos começam a morrer, o ânimo para uma vida social diminui e, assim, a solidão e a tristeza vão chegando. No entanto, pode-se, sim, trabalhar uma reabilitação nesses casos. E o geriatra é preparado para auxiliar com ferramentas e mecanismos para que os idosos se mantenham ativos e felizes.

Tratamento de demências

Sendo mais comuns em pessoas com mais de 65 anos, os vários tipos de demência podem ocorrer com pessoas de todas as idades — é claro que dependerá do histórico familiar de cada um. Além disso, tumores no cérebro e falta de vitamina B12, por exemplo, podem ser causadores dessa condição.

A demência pode ou não ser reversível e, caso ela seja irreversível, é degenerativa, como ocorre com o Alzheimer, por exemplo. Como o risco aumenta muito em pessoas com idade avançada, o geriatra é o especialista indicado para a avaliação dessa possível condição em um paciente.

Quais doenças podem ser evitadas ao fazer acompanhamento com o geriatra?

Mais importante do que saber com qual idade procurar um geriatra, é ter noção de quais doenças podem ser evitadas com o acompanhamento médico. Vale lembrar que o grande vilão do envelhecimento são as doenças que vêm com a idade. As crônicas são as que mais causam sofrimento em pessoas idosas. Essas patologias são: depressão, mal de Parkinson, Alzheimer e problemas cardíacos. Contudo, em muitos casos, essas doenças podem ser adiadas e ter seus efeitos mitigados.

Por exemplo, se o paciente já começa a perder a memória, o médico avaliará as causas. Esse pode ser o primeiro indício de demência e, por isso, os sinais nunca devem ser menosprezados. O esquecimento também pode ter outras causas, como excesso de medicamentos ou fatores externos, sendo função do médico geriatra utilizar métodos específicos para identificar a raiz do problema.

É bom reforçar que o profissional dessa especialização também pode auxiliar o paciente no momento da aposentadoria. Nessa hora, muitos idosos entram em depressão, pois dedicaram sua vida ao trabalho. Nesse caso, o médico pode orientá-los sobre como encarar a realidade de forma positiva, atuando quase como um psicólogo.

No entanto, é claro que o trabalho desse médico não substitui a necessidade de terapeutas ou psiquiatras. O que ele faz é trabalhar em conjunto com esses e outros profissionais de saúde para promover uma melhor qualidade de vida ao idoso.

Onde o geriatra atua?

O médico dessa especialidade atua em clínicas particulares, hospitais e consultórios. Ele também poderá visitar o paciente em casa, pois, em muitos casos, o idoso tem problemas de mobilidade e precisa de assistência em seu domicílio.

Agora, você está por dentro do assunto geriatra o que faz e onde encontrá-lo, é só ficar alerta para quando houver a necessidade de acessar esse profissional.

Entre em contato com a Guardiões de Vidas e compreenda ainda melhor o que podemos oferecer a você e a sua família no que diz respeito à geriatria e aos cuidados específicos com idosos.


Escrito por:

Marcus Vinicius Zorub Montanha – Diretor Técnico

Gostou do Blog? Deixe uma uma resposta

Está de saída?

Assine nossa newsletter
e seja o primeiro a saber
sobre nossos blogs e
outras novidades.
inscrever-se
close-link
WhatsApp Logo