0

Alcançar a longevidade é, sem dúvida, um triunfo. No entanto, há alguns desafios que precisam ser enfrentados para que essa fase seja vivida com mais tranquilidade e bem-estar.  Isso faz com que a saúde do idoso seja um dos temas mais discutidos entre o governo e a sociedade contemporânea.

Nas últimas décadas, a expectativa de vida do brasileiro tem crescido gradativamente: nos gráficos comparativos, o Brasil já está bem próximo dos percentuais alcançados pelos países desenvolvidos. Por conseguinte, essa realidade demográfica aumenta a importância de garantir que os idosos preservem a vitalidade necessária para a superação dos problemas inerentes a essa etapa tão importante da vida.

Nesse contexto, se você está em busca de orientações, sugestões e informações para descobrir qual é a melhor forma de promover a saúde e a qualidade de vida nessa fase, bem-vindo ao Guia da Saúde do Idoso! Boa leitura!

Quais os principais aspectos da saúde do idoso que são garantidos por lei?

Estatuto do Idoso reforça o direito aos serviços de Saúde da pessoa com 60 anos ou mais. Por lei, todos os adultos mais velhos têm direito ao programa de Atenção Básica do Sistema Único de Saúde (SUS). O SUS deve cumprir esse direito, já que ele é o órgão competente para prover ações de promoção, de proteção e de recuperação da saúde do idoso.

Conforme esse estatuto, “a Saúde é um direito de todos e um dever do Estado”. Assim sendo, os idosos têm ainda o direito de receber gratuitamente medicamentos de uso contínuo e de alto custo, próteses, órteses ou quaisquer outros materiais e recursos necessários à recuperação ou à reabilitação deles.

Quais as doenças mais comuns em idosos?

O aumento da expectativa de vida é um fator positivo e que demonstra como a saúde pública tem implantado políticas e ações necessárias à manutenção do bem-estar e da qualidade de vida para a terceira idade.

Entretanto, nessa importante fase da vida, surgem doenças que merecem atenção especial. Sendo assim, é preciso investir em medidas que favoreçam o cuidado e o preparo exigidos para lidar com um idoso doente em casa, já que essa tarefa não é tão simples assim.

Para tanto, confira quais são as doenças mais comuns em idosos e conheça também as suas causas, sintomas e formas de prevenção. Vamos lá?

1. Osteoporose

A osteoporose é uma doença muito comum na terceira idade, e acomete principalmente as mulheres, já que ela tem relação com os níveis de hormônios femininos. A osteoporose é uma condição metabólica que causa uma progressiva redução do tecido ósseo e, por esse motivo, aumenta consideravelmente o risco de fraturas em idosos.

O tecido ósseo pode ser regenerado, já que está em constante renovação. Por isso, quando ocorrem fraturas, normalmente, as células ósseas podem ser reconstituídas. No entanto, devido à fragilidade óssea típica da terceira idade, essa renovação celular é mais difícil e é uma das questões mais preocupantes na saúde do idoso.

Causas e sintomas

Na fase senil, entre outros motivos, há a perda progressiva da matriz óssea devido à menor quantidade de cálcio circulante. Isso causa o enfraquecimento do tecido ósseo e, consequentemente, deixa a pessoa mais exposta ao risco de fraturas.

Os principais sintomas da osteoporose são fortes dores nas articulações da coluna vertebral e dos membros inferiores. Esse quadro torna-se mais agravante quando evolui para a dificuldade de deambulação e maximiza os riscos à saúde do idoso.

Prevenção

A realização de atividades físicas regulares e a boa alimentação são fatores que contribuem positivamente para a prevenção da doença. Nesses casos, deve-se evitar a ingestão de carne vermelha e optar por peixe e frango.

Em síntese, as substâncias formadas pelo metabolismo das proteínas — presentes na carne vermelha — elevam o ácido úrico, provocam a inflamação das articulações (artrite) e resultam no agravamento da doença.

2. Diabetes

Esse é um dos males que mais agravam a saúde do idoso. São três as subdivisões da doença — Tipo 1, Gestacional e Tipo 2. Esse último é o mais comum entre a população. O Diabetes também tem características que podem não ser percebidas inicialmente, já que os sintomas podem ser discretos ou confundidos com os de outras condições patológicas.

Causas e sintomas

Fisiologicamente, ela é causada por uma alteração no modo como as células absorvem e utilizam a glicose (o açúcar do sangue). Assim, os tecidos ficam sem o suprimento necessário para executar adequadamente as funções.

No entanto, fatores como obesidade, alimentação inadequada, herança genética e sedentarismo aumentam os riscos para o surgimento do diabetes. Durante a idade avançada, a doença pode trazer diversas complicações à saúde do idoso e comprometer órgãos importantes, como o coração e a visão.

Visão turva, sonolência, desmaios, ganho ou perda de peso muito rápido são os sintomas mais evidentes quando a doença se instala. Independentemente da idade, os sinais são semelhantes. Contudo, na fase senil, exige-se mais cuidado e habilidade para lidar com diabetes em idosos, devido à fragilidade do organismo e à menor resistência aos efeitos dessa doença.

Prevenção

As consequências mais comuns resultantes dessa doença são problemas cardiovasculares, lesões na retina e complicações no sistema nervoso. As complicações no cérebro são preocupantes porque podem evoluir para derrame cerebral e causar o óbito.

A melhor forma de prevenção é fazer exames periódicos para medir os níveis glicêmicos, a opção por um estilo alimentar mais natural e saudável, além de realizar exercícios físicos regularmente.

3. Hipertensão arterial

A hipertensão arterial — popularmente conhecida como pressão alta — é uma doença que pode surgir silenciosamente e apresentar sintomas somente quando já estiver em níveis altamente preocupantes.

No entanto, na terceira idade, os sintomas dessa doença precisam ser controlados devido à sua relação com outras doenças, afinal, há maior risco de acidente vascular cerebral (AVC) e aumento dos índices de complicações cardiovasculares, como o infarto do miocárdio.

Causas e sintomas

As causas da hipertensão variam desde o estilo de vida aos fatores relativos à herança familiar. Questões relacionadas ao sedentarismo também podem influenciar o aumento da pressão devido à associação com a obesidade.

Dentre os sintomas mais comuns da doença, estão a falta de ar, cansaço excessivo, dores de cabeça e sensação de desmaio.

Prevenção               

Na terceira idade, a vigilância dos fatores de risco relacionados à hipertensão arterial pode evitar a evolução para o estado crônico da doença. A redução do sódio na alimentação, a aferição regular da pressão e os cuidados com a manutenção do peso nos limites normais são relevantes.

4. Mal de Parkinson

O Mal de Parkinson degenera as funções neuronais, de modo crônico e progressivo, em pessoas com idade superior a 70 anos.  Ainda que suas causas sejam desconhecidas, se houver casos dessa doença em familiares próximos, é preciso ter mais atenção aos sintomas, visto que esse problema pode resultar em graves danos à saúde do idoso.

Causas e sintomas

Fatores genéticos e influências do estilo de vida são as questões mais discutidas entre estudiosos dessa doença, já que suas causas ainda estão indeterminadas.

Os principais sintomas da doença são os tremores das extremidades dos membros superiores, a dificuldade para segurar objetos com as mãos e a fala sem sincronia. Pode haver também alterações comportamentais, como apatia e desinteresse pelas atividades que antes eram prazerosas.

Prevenção

O Mal de Parkinson é mais comum na população acima dos 80 anos. O cuidado e a atenção com a alimentação e com os hábitos cotidianos, como repouso adequado, gosto pela leitura e a prática de exercícios físicos são importantes para retardar problemas que comprometem as faculdades mentais. Manter o cérebro ativo e em constante desenvolvimento é essencial para estimular a regeneração dos neurônios e promover a saúde mental.

5. Mal de Alzheimer

Há uma relação direta entre o envelhecimento populacional e o Mal de Alzheimer: a doença afeta as funções do cérebro porque provoca um desgaste progressivo dos neurônios. Como a regeneração dessas células é bem reduzida durante a senilidade, esse Mal tem se tornado cada vez mais presente em escala global e atinge pessoas acima dos 65 anos de idade.

Causas e sintomas

Além de questões relacionadas à presença de hormônios e proteínas que desencadeiam o processo de envelhecimento do cérebro, o Alzheimer também pode surgir por influência do estilo de vida, idade avançada e de herança familiar.

Os sintomas mais evidentes são perda de memória, distúrbios de linguagem, dificuldade para reconhecer pessoas próximas e a incapacidade de realização de tarefas comuns. Somado a isso, a necessidade de auxílio para higiene pessoal e a fragilidade mental tornam o idoso totalmente dependente da ajuda de familiares ou de um cuidador profissional para auxiliar a família nesses momentos tão delicados.

Prevenção

Os hábitos alimentares e o estilo de vida saudável são fundamentais para retardar a recorrência de problemas relacionados à mente. A escolha dos alimentos é fundamental para garantir os nutrientes ideais ao combate dos radicais livres — que provocam o envelhecimento celular — e influenciam no aparecimento de doenças precoces.

6. Depressão

Em qualquer fase da existência, não é somente o corpo que precisa de cuidado e atenção, não é mesmo? Considerando a intrínseca relação entre mente e corpo, a promoção da saúde mental é imprescindível em qualquer idade para que as reações fisiológicas sejam realizadas adequadamente em todo o organismo.

Como a senilidade é uma etapa que envolve desafios, mudanças e adaptações constantes, tais alterações na rotina podem diminuir o senso de utilidade do idoso, afetar a autoestima, provocar conflitos emocionais e gerar a condição depressiva.

Causas e sintomas

Quando chega o envelhecimento, em geral, algumas perdas significativas vêm associadas a ele — a pessoa fica com a saúde mais vulnerável, reduz a produtividade, começa a perder amigos e familiares e, cada vez mais, percebe que não é tão fácil controlar as emoções.

Nesse contexto, episódios de depressão e de ansiedade tornam-se mais frequentes. Por isso, sintomas como tristeza profunda, sentimentos de inutilidade, isolamento social e desinteresse por atividades rotineiras podem ser observados no cotidiano de quem alcançou a fase senil.

Prevenção

A atenção à saúde mental é importante para equilibrar e restaurar a qualidade de vida e promover a saúde do idoso. Nessa fase, muitos apresentam sensíveis alterações de comportamento: tornam-se teimosos, agitados e podem até ficar agressivos.

Entretanto, a família precisa estar preparada para auxiliar os seus entes queridos a superarem essa etapa. Afinal, para lidar com idosos teimosos, ansiosos ou com sintomas de depressão, exige-se habilidade, força mental e um cuidado muito especial.

Nesse sentido, demonstrar carinho, promover passeios agradáveis e ter paciência para contornar os momentos difíceis são atitudes positivas. Tais ações inspiram confiança e tranquilidade e, por isso, devem ser consideradas parte importante da reabilitação emocional e do fortalecimento psicológico do idoso.

7. Derrame cerebral

Também conhecido como Acidente Vascular Cerebral (AVC) ou Acidente Vascular Encefálico (AVE), esse problema ocorre quando as veias que irrigam o cérebro ficam bloqueadas ou sofrem algum rompimento. Isso resulta na diminuição de oxigênio nas áreas cerebrais, já que o sangue não chega a determinadas partes desse órgão.

O derrame acontece porque as células afetadas pela falta de oxigênio — condição caracterizada pela isquemia — morrem rapidamente, o que pode causar sequelas temporárias ou permanentes e, nos casos mais graves, provocar a morte.

Causas e sintomas

As principais causas do AVC são o entupimento das artérias e veias responsáveis pelo suprimento de oxigênio no cérebro ou problemas decorrentes da pressão alta. Causas hereditárias, tabagismo, sedentarismo e obesidade também são fatores de risco para a doença. Os sintomas mais comuns são dores na região da nuca, visão turva, enrijecimento muscular, distúrbios na fala e desmaios.

Prevenção

O controle de peso, a vigilância da pressão arterial e os cuidados com a alimentação — redução de frituras, de sal e açúcar e de produtos industrializados — são essenciais para minimizar os riscos de Acidente Vascular Cerebral. Evitar bebidas alcoólicas e cigarros também é importante.

Além disso, a prática regular de exercícios físicos também melhora a circulação sanguínea e traz incontáveis benefícios à saúde do idoso. Contudo, nessa fase, é preciso escolher adequadamente as atividades físicas específicas para idosos e de acordo com as limitações típicas da senilidade.

8. Infarto

Infarto do miocárdio — ou o popular enfarte — é a morte de uma área do músculo cardíaco que foi necrosado. Isso ocorre pela insuficiência da irrigação sanguínea que leva elementos nutritivos, principalmente oxigênio, ao coração. Na idade avançada, a associação com outros problemas torna o infarto uma doença com alta taxa de risco para mortalidade.

Causas e sintomas

As causas do infarto são diversas, porém, as mais comuns estão relacionadas ao estilo de vida: consumo de álcool, de cigarro e sedentarismo são influenciadores, mas os riscos para a doença podem ser acentuados pelo estresse diário.

Como efeito da idade avançada e da alimentação inadequada, o aumento das placas de colesterol causa uma inflamação nas paredes das artérias e potencializa as chances dos eventos que resultam no infarto.

Os principais sintomas são as dores na região do peito, que podem se irradiar para a o ombro e nuca. Não raro, essas dores causam compressão cervical, sensação de desmaio, náuseas, vômitos e visão turva. Tais sintomas podem ser associados à agitação e ansiedade. Vale destacar que eles são condizentes com o risco iminente de morte e, por isso, o paciente deve ser levado imediatamente ao hospital para atendimento emergencial.

Prevenção

Evitar a obesidade, o tabagismo e o etilismo são medidas essenciais para reduzir a exposição ao infarto. A prática de atividades físicas e a adequação aos bons hábitos alimentares podem reduzir o acúmulo de colesterol no sangue e melhorar as condições dos vasos do coração.

9. Catarata

A catarata é resultante de uma lesão ocular que afeta o cristalino do olho e compromete a formação da imagem na retina. Em geral, a doença pode ter uma evolução imperceptível: atingir um olho e, somente depois de algum tempo, comprometer totalmente a visão.

Causas e sintomas        

A catarata pode surgir por causas congênitas ou ser adquirida por influência do envelhecimento, de traumas oculares, do diabetes ou por uso inadequado — e sem indicação ou acompanhamento médico — de colírios contendo corticoides.

A sintomatologia mais clara é a dificuldade de enxergar pela falta de acuidade visual, maior sensibilidade à luz e pela visão dupla. Na existência desses sintomas, a orientação é que o idoso passe por uma criteriosa e urgente avaliação oftalmológica.

Prevenção

As melhores ações preventivas são a submissão periódica aos exames de vista, não usar nenhum tipo de colírio sem prescrição médica e prestar atenção na evolução dos casos de problemas visuais na família.

Quais os principais cuidados exigidos na terceira idade?

Durante o envelhecimento, é necessário redobrar a atenção e investir em medidas para garantir a saúde e a segurança daqueles que tanto cuidaram de nós. Nesse sentido, certos cuidados com os idosos não podem ser deixados de lado, visto que muitos precisam de auxílio até mesmo para a execução das atividades mais simples.

Nesse sentido, acompanhe agora os principais cuidados exigidos na senilidade. Confira!

1. Manter a alimentação saudável

Pelas circunstâncias da idade e a maior dificuldade em manter o metabolismo normal, alguns cuidados com a alimentação do idoso são relevantes para a prevenção de doenças relacionadas à falta de vitaminas, de proteínas e de minerais como o ferro e o cálcio.

A opção pela alimentação saudável envolve a decisão de realizar escolhas conscientes em prol da saúde — reduzir gorduras, açúcar, sal e consumir alimentos naturais, integrais e mais saudáveis todos os dias.

2. Fazer adaptações na casa

Adaptar a casa para evitar acidentes e risco de quedas é essencial nessa fase. Convém instalar corrimões pelas escadas, banheiros e em todos os lugares que possam significar mais segurança ao idoso.

Manter a casa ventilada, evitar móveis pontiagudos e retirar tapetes escorregadios também simbolizam medidas de proteção e de carinho àqueles que merecem todo cuidado para superar essa fase de forma tranquila e prazerosa.

3. Promover a qualidade de vida

Ações e interações sociais são fundamentais à promoção do bem-estar e da qualidade de vida do idoso. Considere melhorar a interação social por meio de realização de caminhadas ao ar livre, exercícios físicos, rodas de conversa em parques ou em locais públicos, por exemplo.

4. Estimular a participação em campanhas de vacinação

Na terceira idade, a recuperação de doenças ou a reabilitação física e mental são difíceis e exigem mais atenção para evitar maiores danos à saúde do idoso. Por isso, estimular a pessoa a participar de campanhas de vacinação é essencial à manutenção da saúde.

5. Evitar o tempo ocioso

Uma das formas mais seguras de evitar a ociosidade é ocupar o tempo com algo útil e saudável. Estabeleça condições para que o idoso trabalhe algumas horas por dia ou motive-o a frequentar cursos ou trabalhos voluntários.

Para evitar a sensação de inutilidade ou a demora em pensamentos negativos, incentive-o a praticar atividades para exercitar o cérebro: leitura, games e jogos de tabuleiros ajudam bastante. 

6. Manter o peso ideal

A obesidade deve ser evitada, já que essa doença está associada a diversos problemas físicos e psicológicos. Além disso, o excesso de peso dificulta a locomoção, pode gerar graves complicações e comprometer o bem-estar, a autoestima e outros aspectos relevantes da saúde do idoso.

7. Garantir o atendimento médico, odontológico e psicológico

A maioria das doenças na terceira idade surge de modo silencioso. Quando o paciente ou seus familiares observarem os sintomas, pode ser tarde e a doença apresentar um estágio avançado. Desse modo, garantir a visita regular ao médico e ao dentista é fundamental para o diagnóstico precoce de doenças, assim como para garantir a saúde oral e prevenir complicações.

O apoio psicológico na terceira idade é um importante recurso para superar as adversidades típicas do envelhecimento. A psicoterapia é essencial para a adaptação às mudanças e aos desafios próprios dessa fase da vida: são medidas benéficas e imprescindíveis ao bem-estar e à promoção da qualidade de vida.

8. Priorizar a segurança financeira

Boa parte dos adultos consegue alcançar a longevidade, manter a lucidez necessária para trabalhar em atividades alternativas e garantir uma boa reserva financeira. Porém, para aqueles que não têm equilíbrio físico e mental, os familiares precisam assegurar que as economias deles sejam bem administradas.

Como os familiares podem ajudar a melhorar a vida do idoso?

A responsabilidade da família é direcionar o idoso por um caminho mais seguro à superação dos desafios característicos do envelhecimento. Contudo, a preservação do direito de escolha deve ser respeitada, desde que ele tenha sobriedade e sensatez suficiente para tomar decisões.

O apoio familiar é fundamental, mas considerar a autonomia do indivíduo é importante para evitar insatisfações e desgastes emocionais. Nessa etapa da vida, o idoso fica exposto à vulnerabilidade física e psicológica e, por isso, precisa de constantes cuidados.

Além de buscar o preparo adequado para garantir o bem-estar do idoso, a família também pode encontrar soluções nos serviços de Home Care. Essas empresas oferecem toda assistência necessária à terceira idade e ainda disponibilizam profissionais experientes para garantir a promoção da saúde do idoso de forma integral e segura.

E então, gostou do nosso Guia da Saúde do Idoso? Conheça também uma das melhores alternativas para promover o bem-estar de quem tanto cuidou de você e saiba como escolher a melhor empresa de home care!

Gostou do Blog? Deixe uma uma resposta