0

Manter uma infraestrutura de cuidados, seja para idosos, seja para pessoas com necessidades especiais temporárias, não é uma das tarefas mais fáceis. Há inúmeros detalhes que devem ser pensados para manter uma rotina com todos os afazeres envolvidos nas 24 horas por dia durante os sete dias da semana.

Por isso, é necessário entender o funcionamento dos métodos de contratação de cuidados por hora x cuidados diários. Basta pensar que o cuidador precisa, e tem, o direito a folgas garantido por lei.

No mais, a falta delas pode, inclusive, comprometer a qualidade do trabalho realizado dentre outras questões tão importantes quanto essa. Portanto, é preciso contar também com o apoio de folguistas.

Além disso, é extremamente importante que os familiares façam parte desse processo e, em parceria com profissionais capacitados para a prestação desse tipo de serviço, formem uma verdadeira equipe focada em manter o bem-estar e melhorar a qualidade de vida da pessoa assistida em tempo integral.

Pensando nisso, elaboramos este post que o ajudará a entender como funcionam os regimes de contratação de cuidadores para que você consiga manter seus entes queridos bem cuidados sem correr riscos de infringir as leis trabalhistas. Vamos lá?

Quais são as diferenças entre contratar cuidados por hora x cuidados diários?

Como mencionamos, a contratação de profissionais especializados em cuidados a pessoas em situações que demandam tratamento qualificado é uma tarefa complexa e precisa ser muito bem planejada. O primeiro passo para isso é entender como funcionam e quais são as diferenças entre os métodos de contratação.

Um cuidador de idosos pode ser contratado como empregado regular, trabalhador autônomo ou, ainda, como empregado doméstico. Cada um desses regimes é recomendado para um tipo de necessidade diferente. É preciso avaliar muito bem qual é o seu caso, como você entenderá a seguir.

Cuidados diários

Cuidar de alguém requer um certo grau de confiança da parte de quem recebe os cuidados e de empatia da parte de quem os oferece. É até natural que laços afetivos sejam formados embora o profissional seja treinado para não se envolver emocionalmente.

Por isso, é importante que haja identificação entre ambas as partes. Nesse sentido, a alta rotatividade de profissionais não é uma boa prática, pois ela pode facilitar a ocorrência de casos de maus-tratos. O ideal é ter, pelo menos, um cuidador fixo para permanecer com o idoso durante a maior parte do tempo em que ele estiver acordado e ajudá-lo nas principais atividades diárias como a higiene pessoal e a alimentação.

Nesse caso, o ideal é que o cuidador seja contratado como um empregado regular ou doméstico, com carga horária semanal fixada de acordo com a legislação, em regime de contratação CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) com todos os direitos e deveres que ele garante. Esse vínculo empregatício é uma segurança não apenas para o cuidador, mas também para a família que sabe que poderá contar com ele.

Porém, a CLT restringe a carga horária a 44 horas semanais nesses casos, o que deixa diversos períodos descobertos. Daí a necessidade de contar com um segundo profissional para complementar esses turnos. Mas lembre-se que ambos os profissionais terão direito a folgas e nem sempre é possível conciliá-las. Nesse caso, é necessário “ter na manga” um terceiro profissional, como você verá a seguir. Acompanhe!

Cuidados por hora

Aqui estamos falando da contratação de profissionais autônomos, pagos por hora trabalhada e sem vínculo empregatício no regime CLT. Normalmente, esses cuidadores contam com recursos como o MEI (Microempreendedor Individual), que garante os mesmos direitos previdenciários de quem trabalha com registro em carteira profissional mediante o pagamento de um imposto mensal.

Esse tipo de profissional é mais recomendado para cobrir as folgas, férias ou faltas dos cuidadores fixos. Porém, como normalmente eles têm vários clientes, é preciso ter o cuidado de reservar sua agenda com antecedência até mesmo para evitar a sobrecarga do profissional.

Afinal, você não gostaria de ver o seu ente querido sendo cuidado por alguém que está trabalhando a três ou quatro dias direto sem sequer ter tempo para dormir ou se alimentar adequadamente, certo?

Como escolher o método ideal de contratação de um cuidador?

Avalie as necessidades reais de um cuidador

Há vários contextos que requerem a contratação de um cuidador e antes de mais nada é preciso analisá-los. Existem situações em que ele só é necessário durante a noite ou nos fins de semana, por exemplo. Também há casos esporádicos em que ele só é necessário para dar uma folga ao familiar que assumiu a função.

Em outras situações, como aquelas em que os cuidados necessários são bem específicos e devem ser prestados por profissionais qualificados, a presença do cuidador é necessária durante todas as horas do dia. O ideal é conversar com os profissionais de saúde que acompanham o seu ente querido, como o geriatra, o fisioterapeuta e o psicólogo para entender se é necessário um cuidador no regime de cuidados por hora ou cuidados diários.

Verifique o contexto financeiro da família

Dependendo da situação financeira da família, é possível contratar um serviço completo de home care ou é necessário dividir tarefas entre os familiares. O importante é que ninguém saia sobrecarregado nem com trabalho e nem financeiramente. Por isso, é muito importante avaliar bem o contexto financeiro familiar e equilibrar essa responsabilidade entre todos os envolvidos.

Entenda qual é o melhor momento para contratar o cuidador

Como já mencionamos, é necessário haver aceitação por parte de quem recebe os cuidados, mas nem sempre essa adaptação é algo simples. Afinal, estamos falando da autonomia de um ser humano. Desse modo, é necessário entender se a hora de contratar um cuidador realmente chegou e se o idoso não requer cuidados mais específicos que demandem, por exemplo, uma internação, entre outros detalhes importantes para a sua qualidade de vida e bem-estar assim como dos seus familiares.

Como entrevistar o cuidador depois que o método de contratação for escolhido?

Uma vez entendidas as diferenças entre cuidados por hora x cuidados diários e definido qual será o método de contratação utilizado, é chegada a hora de escolher o profissional. No momento da entrevista, é muito importante solicitar referências de outros trabalhos realizados pelo profissional e, ainda, os certificados de conclusão dos cursos exigidos para atuação na área.

Outro detalhe importante é entender as motivações do candidato à vaga para se tornar cuidador, quais são as suas expectativas em relação ao trabalho e, no caso de profissionais autônomos, entender a disponibilidade de horários dele.

É preciso avaliar bem as necessidades de contratação de cuidados por hora x cuidados diários para que não haja nem a sobrecarga financeira e nem a falta de identificação entre o cuidador e a pessoa que recebe os cuidados. Em alguns casos, em vez da escolha de um dos métodos, se torna necessário administrar a utilização de ambos.

Agora que você entendeu a diferença entre cuidados por hora x cuidados diários, sabe como escolher a melhor opção para o seu contexto e como entrevistar o cuidador, que tal entrar em contato consoco para saber como podemos ajudá-lo nesse processo tão importante e delicado?

Gostou do Blog? Deixe uma uma resposta

Está de saída?

Assine nossa newsletter
e seja o primeiro a saber
sobre nossos blogs e
outras novidades.
inscrever-se
close-link
WhatsApp Logo